Ligue (79) 3246-2770
Cuidados com o coronavírus em condomínios
23 de março de 2020

Muito rapidamente o coronavírus está mudando hábitos e a forma de nos relacionarmos em sociedade. Diariamente especialistas recomendam que fiquemos em casa pelo maior tempo possível e evitemos aglomerações para que a pandemia não progrida mais rápido do que já está sendo verificado. Mas para quem mora em condomínio, a possibilidade de usar as facilidades, como piscina e academia, pode parecer tentadora e até dar uma falsa sensação de segurança, por se tratar de ambientes conhecidos. Não é bem assim! Muitos condomínios já fecharam áreas comuns para evitar que a constante circulação de pessoas ajude a espalhar o vírus. E se no local onde você mora os espaços coletivos ainda estiverem abertos, é importante tomar cuidados preventivos.

Conforme amplamente divulgado pelos diversos meios de comunicação, a quarentena voluntária tem o objetivo de diminuir o contato entre as pessoas, e atenuar a velocidade do contágio pelo COVID19 entre a população, dando condições para que o sistema de saúde consiga absorver os casos graves, e/ou que precisem de atendimento em UTI. Não adianta de nada fecharmos escolas e comércio se mantivermos o contato entre pessoas (principalmente jovens e crianças) em locais como parquinhos, quadras, brinquedotecas e academias nos condomínios de edifícios e casas.

É mais seguro utilizar o elevador ou subir pelas escadas?

Os botões do elevador são superfícies tocadas frequentemente. De acordo com a recomendação dos especialistas, não é necessário usar as escadas — inclusive por muitas pessoas não terem condições físicas para subir até seus andares — e, sim, higienizar as mãos após usar o elevador e tocar nos botões. Se for subir de escada, o cuidado também vale para quem tocou em corrimões e maçanetas.

Devo compartilhar o elevador se tiver alguém de máscara?

Não. A máscara impede que a pessoa elimine gotículas no ar e contamine o elevador, portanto, este é o jeito certo da pessoa com sintomas como tosse, dor de garganta.

Veja abaixo recomendações e medidas que alguns síndicos tem adotado nos condomínios:

Condôminos

Em caso de encomendas e entregas de delivery a recomendação é de que entregadores não entrem no prédio e que os condôminos devem receber as entregas na portaria.

A necessidade da permanência de funcionários trabalhando nos apartamentos deve ser avaliada e empregados acima de 60 anos devem ser liberados do trabalho.

Evite obras e só mantenha o trabalho em caso de extrema urgência para evitar circulação de outras pessoas no prédio.

Qualquer estado gripal, mesmo que inicial, deve ser comunicado ao síndico, com confidencialidade. A gripe comum e a imunidade baixa predispõem à infecção por Covid-19. A transparência é aliada do combate à disseminação da doença.

Resultados positivos para Covid-19 devem ser obrigatoriamente informados ao síndico e demais moradores. A sugestão é que qualquer pessoa com sinais de estado gripal deve ficar o máximo possível em seu apartamento, em distanciamento social de ao menos dois metros de distância das pessoas.

Como o Covid-19 é comprovadamente transmitido pelas mãos, deve-se evitar cumprimentos, abraços ou beijos.

Evite fazer ou receber visitas.

Síndicos

Gestores de edifícios devem garantir que equipes de limpeza de cada edifício se esforcem com as práticas diárias de higienização nesse momento em que essas medidas podem frear o avanço da doença e proteger os mais vulneráveis.

Fechar temporariamente o salão de festas e limitar atividades sociais com grupos de pessoas externas ao seu apartamento em quaisquer áreas de convivência como academias, piscinas e espaços gourmet.

Considere ter desinfetante para as mãos à base de álcool em áreas comuns, incluindo, entre outros, a entrada dos elevadores e banheiros. 

Prestar atenção especial à limpeza de superfícies frequentemente tocadas em áreas comuns: higienizar frequentemente itens como bebedouros, torneiras, maçanetas, interruptores de luz e botões do elevador, entre outros, com produtos de limpeza à base de álcool e água sanitária.

Os síndicos também devem evitar assembleias de condomínio. Informações podem ser passadas através de cartazes afixados em áreas de circulação de moradores ou enviadas por aplicativo de mensagem.

Funcionários

O funcionário gripado deve ser licenciado temporariamente, com direitos assegurados pelo condomínio.

Nos casos de reforma e de circulação de trabalhadores externos, inclusive os de cada residência e trabalhadores de reformas, devem receber equipamento de proteção pessoal adequado, como luvas limpas trocadas constantemente. 

A equipe que manipula o lixo deve lavar as mãos frequentemente, utilizar luvas e desinfetante para as mãos à base de álcool. Nenhuma evidência sugere que o lixo do edifício necessite de desinfecção adicional.

O síndico ou administradora deve providenciar o Equipamento de Proteção Individual (EPI) completo para os trabalhadores, incluindo luvas, botas e máscaras, de acordo com recomendação dos órgãos oficiais.

O síndico ou administradora devem disponibilizar toalhas de papel e sabão nos banheiros para os funcionários, disponíveis o tempo todo.

Todos

Higienizar as mãos, frequentemente, com água e sabão, durante pelo menos 40 segundos; em caso de não poder, com álcool-gel.

Evitar aglomerações, inclusive no elevador. Reduzir a utilização para, no máximo, três pessoas por vez.

O banheiro de uso comum deve ser higienizado após cada uso.

 A distância mínima de visitantes e moradores do porteiro deve ser de dois metros.

O ideal é a comunicação pelo interfone.